ONG feminista há 20 anos na defesa dos direitos das mulheres

Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Cartaz facebook dia da mulher negra Themis3

Por que um dia somente para mulheres negras?
Por que dificilmente as mulheres negras são retratadas como realmente são: múltiplas. Cada uma possui histórias e percepções diferentes sobre ser mulher e negra, e isso é constantemente escondido e invisibilizado.
Mulheres negras são frequentemente esquecidas enquanto sujeitos de direito, e isso não é diferente no dia oito de março.
A necessidade de um dia somente para mulheres negras é justificada pelos dados alarmantes que demonstram a situação desigual que vivem em relação às mulheres brancas. Logo, um dia específico para discutir essas particularidades, acaba se tornando fundamental para simbolizar a demarcação da luta contra o racismo e o machismo.

A data foi criada em 25 de julho de 1992, durante o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana, como marco internacional da luta e da resistência da mulher negra.
No Brasil, também é comemorado como Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. Tereza de Benguela foi uma líder quilombola, viveu durante o século 18. Com a morte do companheiro, Tereza se tornou a rainha do quilombo, e, sob sua liderança, a comunidade negra e indígena resistiu à escravidão por duas décadas, sobrevivendo até 1770, quando o quilombo foi destruído pelas forças de Luiz Pinto de Souza.

Nesta data, também queremos homenagear a ex-ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Helena Bairros, falecida no inicio do mês em decorrência de um câncer no pulmão.
Sua trajetória política ancorou-se na luta pelo enfrentamento ao racismo estruturado na sociedade brasileira, pelo fim do machismo e pela promoção de políticas de igualdade racial.


Veja outras notícias